domingo, 25 de outubro de 2009

1969...que ano musical!


...Eu vou voltar aos velhos tempos de mim, vestir de novo o meu casaco marrom ...

É o que vou fazer pra passear um pouco por esses saborosos tempos, nesse domingo.

Foi o ano de Taiguara. HOJE. Que composição! Um clássico para sempre!

Roberto
e Erasmo Carlos com grande safra com As curvas da estrada de Santos, As flores do jardim da nossa casa, Eu disse Adeus, Sentado à beira do caminho.

Tempos de País Tropical e o grande Wilson Simonal, pela primeira vez, fazendo multidões cantarem com ele; o swing de hoje das composições de MarcosValle já surgindo, em Mustang Cor de Sangue, parceria com irmão Paulo SérgioValle, após a temporada forte de Viola Enluarada do ano anterior.

Que Maravilha,
de Jorge Ben- nos tempos em que não tinha o jor- em parceria com Toquinho.

Tempos, também, da pilantragem... da Brazuca, de Antonio Adolfo e Tibério Gaspar com Juliana, Samarina, Meia Volta (Ana Cristina) ...

Um ano de grandes festivais. O universitário - no auditório da Tupi, na Urca, com final no Teatro João Caetano - que não só trouxeram à tona novas vozes e novos compositores, mas também consolidaram talentos.

Tempos dos então desconhecidos Aldir Blanc (Escola de Medicina e Cirurgia), Ruy Maurity (Psicologia da PUC), César Costa Filho (Faculdade Brasileira de Ciências Jurídicas), Luiz Gonzaga Nascimento Jr. (Economia da faculdade Cândido Mendes), entre outros.

A reboque de O Trem, de Gonzaguinha - vaiada quando venceu - vieram a vibrante ( e para a qual eu torci!) Mirante, de Cesar Costa Filho e Ronaldo Monteiro de Souza, de Esquina em Esquina, Cesar Costa Filho e Aldir Blanc, cantada por Clara Nunes; Mundo Novo,Vida Nova - outra de Gonzaguinha - na interpretação belíssima de Claudete Soares, Nada sei de eterno, de Aldir Blanc com Sílvio Silva Júnior, que contou com a voz de Taiguara, campeão do ano anterior com a linda Helena, Helena, Helena.

capa do Lp do II Festival Universitário da Música Brasileira,
em 1969, na Tv Tupi do Rio de Janeiro

Tempo do FIC, Festival Internacional da Canção, no Maracanãzinho, com o prêmio Galo de Ouro, desenhado por Ziraldo e confeccionado pela joalheria H. Stern. Da abertura, composição do maestro Erlon Chaves ... o festival da canção popular, traz as canções para o mundo cantar... quem sabe a letra? - que vinha após a marcante contagem regressiva e a frase imortalizada por Hilton Gomes, apresentador oficial do FIC: “Cinco... quatro... três... dois... um, boa sorte, maestro!”.

Ouvimos "Visão geral", de César Costa Filho, Ruy Maurity e Ronaldo Monteiro de Souza, com César Costa Filho e Grupo 004, cantando ; "Minha Marisa" , de Fred Falcão e Paulinho Tapajós, com os Golden Boys.
A doçura da voz de Evinha... Cantiga por Luciana, grande campeã.

O que 35 mil espectadores exigiam, aconteceu na noite de encerramento do IV FIC, de 69: Wilson Simonal, o presidente do júri, fez o seu tão esperado show. Dominando a platéia e fascinando os convidados estrangeiros. Henri Mancini chegou a subir na cadeira !


Pois é... fico pensando...
que tal inspirados em mais um verso da música Casaco Marrom,
de Paulinho Tapajós e Edmundo Souto,
do ano da graça de 1969,
cada um tomar a mão da alegria e sair...
nesse domingo?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Seja bem-vindo!