sábado, 25 de agosto de 2018

REMEXENDO NO BAÚ...PRA NOSSA ATENÇÃO!!!



Vale o repeteco...
...em tempos de campanha eleitoral, 
pra relembrarmos coisas que foram feitas 
e candidatos que ainda estão rondando por aí!

"Sobre índios, história e um governo demolidor


Casarão onde funcionou o antigo Museu do Índio - foto de 1953


"Ao lado do estádio do Maracanã existe um terreno com um majestoso edifício atualmente em ruínas. 
Construído em estilo neoclássico, o prédio foi doado ao Império do Brasil no ano de 1865, pelo Duque de Saxe, genro de Dom Pedro II, a fim de que ali se instalasse um órgão de estudo e pesquisa sobre as culturas indígenas brasileiras.
Em 1910, o local tornou-se a sede do Serviço de Proteção ao Índio – fundado pelo Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon – que ali funcionou até sua transferência para Brasília em 1962. O edifício também abrigou a Escola Nacional de Agricultura, entidade que deu origem à Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. 
A 19 de abril de 1953, sob a direção de Darcy Ribeiro, ali foi instalado o Museu do Índio, onde funcionou até 1977, quando foi realocado para o bairro de Botafogo. Em 1984, a União cedeu a titularidade do imóvel à Companhia Nacional de Abastecimento.
Curiosa e lamentavelmente, a despeito de sua relevância histórica, nunca houve tombamento em qualquer instância. 
A área, com sua emblemática ruína, faz parte da paisagem diária de centenas de milhares de habitantes que se dirigem ao Centro da cidade todos os dias, seja de trem, ônibus, automóvel ou metrô. Quase certamente, aqueles que passam por tal cenário de abandono não podem imaginar que logo ali, onde tudo parece destruído, há uma efervescência de vida acontecendo. 
Diante da gradativa deterioração do espaço e da total ausência de iniciativas do poder público para recuperá-lo, há cerca de seis anos, representantes de diversas etnias indígenas empreenderam uma ação coerente, cumprindo os desígnios originais de destinação do imóvel. Numa versão pacífica e contemporânea do líder guarani Sepé Tiaraju – aquele que no século XVIII, declarou “esta terra tem dono” – ocuparam o local e criaram a Aldeia Maracanã. 
De início, só havia mato e entulho. Organizaram mutirões. Limparam o terreno. Plantaram mudas de diversas espécies. Ergueram uma cozinha coletiva com uma grande mesa. Construíram um local para cerimônias religiosas, pequenas casas e palhoças. Não são muitos em número, mas representam diversos povos e se revezam na ocupação. Há xavantes, tucanos, caingangues, pataxós, guajajaras, gaviões, pankararus, guaranis, apurinãs, fulni-ôs, potiguaras… Até um legítimo puri, este, ao contrário do que nos acostumamos a ver nas litografias de Johann Moritz Rugendas, de carne e osso, voz mansa, olhos brilhantes e sorriso doce. 
E por lá ficaram. Ao contrário do museu oficial, em Botafogo, criaram com seus poucos recursos um centro cultural vivo, permanentemente aberto a todos os que queiram visitá-lo. Ali expõem suas artes, realizam suas cerimônias, fazem suas festas, contam suas histórias. Naquele pequeno oásis verde no meio de uma das regiões mais áridas da cidade, ainda é possível avistar o periquito maracanã, exatamente a ave que dá nome àquele que já foi o maior estádio do mundo, cartão postal da cidade, palco de tantas alegrias e algumas tristezas, orgulho de todo carioca, o estádio Mário Filho, o velho Maraca, o querido Maracanã. 
Bem no coração da cidade do Rio de Janeiro, esta que já foi palco de duas das maiores e mais significativas conferências mundiais sobre o meio ambiente, esta que possui a maior floresta urbana do mundo, esta que é visitada anualmente por turistas de todas as partes do globo, esta que pode se orgulhar de sua formação cosmopolita. Ali, à vista de todos, um grupo de indígenas realiza um trabalho notável e que deveria receber apoio. Mas, decorridos cinco séculos, um novo Cabral os ameaça. 
No afã enlouquecido da realização de obras para a Copa do Mundo de 2014, não bastasse a total descaracterização do Maracanã em nome de um conceito de modernidade bastante questionável, na manhã do dia 18 de outubro, o governador Sérgio Cabral, anunciou a demolição do prédio como parte das obras de reforma do entorno do estádio:

“O Museu do Índio, perto do Maracanã, será demolido. Vai virar uma área de mobilidade e de circulação de pessoas. É uma exigência da Fifa e do Comitê Organizador Local. Viva a democracia, mas o prédio não tem qualquer valor histórico, não é tombado por ninguém. Vamos derrubar.” 
Por área de mobilidade e circulação entenda-se: o terreno seria destinado à construção de um estacionamento. 
A Fifa, porém, em documento enviado à Defensoria Pública da União, nega que tenha feito qualquer pedido do gênero. Vale lembrar que durante a Copa do Mundo de 1950, o estádio recebeu um público consideravelmente maior do que o previsto para 2014, o museu funcionava no local e não houve problema algum. 
Não fosse somente isso, representantes do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e, até mesmo, do Inepac – Instituto Estadual do Patrimônio Cultural – são contrários à demolição e asseguram que não há risco iminente de desabamento, podendo o imóvel ser restaurado. 
Ainda no rol das sandices ditas pelo governador Cabral estão as declarações feitas alguns dias mais tarde, após reconhecer não ter havido qualquer determinação objetiva da Fifa, quando voltou a defender a demolição:

“Na verdade não foi uma exigência da Fifa. Ela pede uma área de mobilidade com determinadas características. E no meio do caminho tem esse prédio, que não é tombado e não tem nenhum valor histórico. Portanto, não tem cabimento ele ficar no meio do caminho de uma concepção que é para garantir segurança e conforto para milhares de pessoas que vão ao Maracanã”. 
E, ao ser questionado sobre o destino dos indígenas que estão no local, respondeu:

“Isso aí é um problema da Funai, não é problema meu. O fato é que nós compramos o prédio, pagamos por ele para destruí-lo.” 
Então, vamos por partes. 
  • Em primeiro lugar, entre o prédio não ser tombado e não ter nenhum valor histórico vai uma grande diferença. Será que é mesmo necessário explicar isso a um governador de estado? 
  • Não seria muito mais interessante considerar a proposta do centro cultural vivo, ainda mais nestes tempos onde políticas de valorização da diversidade cultural e do meio ambiente estão tão em alta? 
  • De fato, não há tempo suficiente para uma restauração adequada, mas para isso existem alternativas interessantes. Aqui mesmo, no estado, há o Complexo da Machadinha, em Quissamã, onde da fazenda, só restou intacta a senzala. Basta consultar os técnicos do Inepac a respeito. Sobre a relevância histórica do prédio, há farta documentação, desde que se queira localizá-la. 
Continuando. O destino dos indígenas pode não ser problema do cidadão Sérgio Cabral, mas, sim, é um problema de qualquer governante. O que dizer disso além de QUE DECLARAÇÃO VERGONHOSA, GOVERNADOR! 
Enfim, quanto ao “compramos e pagamos para destruí-lo”, é triste ver tamanha deturpação – consciente ou não — entre público e privado, individual e coletivo. Mas, infelizmente, tal argumentação não chega a causar surpresa. 
Na sanha destruidora empreendida pela dupla de demolidores Cabral-Paes em nome da Copa do Mundo e da Olimpíada, é grande a lista de imóveis ameaçados ou já desaparecidos, dentre os quais, além do Museu do Índio, encontram-se a fábrica da Brahma, o prédio do Iaserj, a refinaria de Manguinhos, o estádio Célio de Barros e o parque aquático Júlio Delamare. 
E pensar que a criminosa demolição do Palácio Monroe até hoje causa tanta indignação!
....................
Como disse o historiador Nireu Cavalcanti, em palestra proferida no Museu de Astronomia em maio deste ano, parece que essas pessoas tem raiva de possuir sangue negro e índio correndo em suas veias. Só isso pode explicar tamanhos maus tratos com tudo o que – mesmo remotamente – os faça lembrar que não são europeus puros. Na ocasião, o professor Nireu referia-se à cloaca em que se transformou o rio Carioca, aquele que deu o gentílico aos nascidos na cidade. 
O mesmo pode ser dito agora, em relação às obras do estádio do Maracanã e seu entorno.

O rio homônimo já está praticamente morto e a ave, governador, não pode viver em estacionamentos.

............................"
(Texto de Glaucia Santos Garcia , 2012)

 ***************


EM TEMPO: da dupla irresponsável pela destruição do patrimônio, o criminoso governador Sérgio Cabral já está preso e condenado. O ex-prefeito Eduardo Paes ainda está flanando por aí e é candidato nas próximas eleições, a governador, pra prosseguir, quiçá, na sua sanha .

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Mais saudades cariocas...

Hoje quem passa na Rua do Catete 228, dificilmente se lembra o que existia nesse endereço. A não ser os saudosistas de plantão.

Pois é... naquele local existiu uma das belas construções do Rio, que foi abaixo: o cinema Azteca.





Há 45 anos, em 1973, ele foi demolido para a construção de um simples prédio comercial. O cinema de 1780 lugares foi construído pelo grupo mexicano que controlava a Distribuidora Pelmex e funcionou de 12 de outubro de 1951 a 12 de maio de 1973. O prédio foi o primeiro pré-fabricado do Brasil com várias peças importadas que imitavam uma construção pré-colombiana.


A imagem pode conter: atividades ao ar livre

A foto acima, da demolição, choca e dói. Por ali vi as operetas da Metro, as matinês do Tom&Jerry, Dumbo, e tanto outros filmes, clássicos e desenhos.


Programas do cinema Azteca
Resultado de imagem para cinema azteca no catete




sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Há 200 anos, touradas no Rio



Há 200 anos, em 1818, a pintura de Franz Josef Frühbeck, registra a existência de uma praça de touros no Rio de Janeiro.





Campo de Santana com uma grande arena para touradas.



Pois é... as touradas cariocas existiram! E já foram extremamente populares por aqui.

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Panfleto da grande tourada em comemoração ao aniversário de D. Pedro II, 
no "Largo dos Curros" , nome  anterior do Campo de Santana.

As primeiras touradas do Brasil aconteceram no século XVII e sempre seguiam datas importantes para a coroa, como feriados ou quando um monarca casava ou nascia. Por serem populares na Espanha e em Portugal, se popularizaram aqui conforme os europeus foram se instalando no país.

Esses eventos começaram a ganhar força quando a capital veio para o Rio de Janeiro. e tudo começou em São Cristóvão. Mas os principais palcos das touradas eram o Campo do Santana e a Arena dos Touros,  na Rua Ipiranga, em Laranjeiras.

A imagem pode conter: campo de beisebol e multidão
1905 , "Arena dos Touros" da Rua Ipiranga, em Laranjeiras


O público nas touradas chegavam a 10 000 pessoas, que se divertiam com fogos de artifício, música, dança e muita bebida. É importante destacar que naquela época a população da cidade não chegava a 50 000 pessoas.

Em 1808, após a chegada da corte real portuguesa ao Brasil, as touradas tiveram seu auge.

Muitos jornais da época mostravam a empolgação da população do Rio com as touradas. Em 1896, o periódico Sol e Sombra publicou:

“O Rio de Janeiro só agora pode assistir a verdadeiros torneios e perceber a graça bizarra e todo o encanto deste divertimento popular (touradas), porque só ele tem o condão estranho de confundir, no mesmo momento, o entusiasmo do homem rude do povo com o do mais correto homem do mundo”.

Entretanto, as touradas não eram unanimidades. Já nos séculos passados existiam grupos que questionavam uma possível violência contra os animais.

Dessa polêmica participou Machado de Assis, que disse em uma de suas crônicas, em 1877

“E querem saber por que detesto as touradas? Pensam que é por causa do homem? Ixe! É por causa do boi, unicamente do boi.
Eu sou sócio (sentimentalmente falando) de todas as sociedades protetoras dos animais. O primeiro homem que se lembrou de criar uma sociedade protetora dos animais lavrou um grande tento em favor da humanidade”

As touradas foram perdendo força e em 1821, a arena do Campo de Santana foi fechada. Mesmo assim as touradas continuaram ainda por décadas, se profissionalizando, minimizados os custos com cobrança de ingressos e patrocinadores.

As touradas acabaram definitivamente no Rio de Janeiro em 1907,com o prefeito da cidade Sousa Aguiar que assinou decreto proibindo a prática no Rio de Janeiro. "

Ficou a história.

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

À bênção N S da Glória!


No próximo dia 15 comemoramos
Nossa Senhora da Glória. 

Uma das igrejas mais bonitas da cidade é a de N S da Glória do Outeiro.

Resultado de imagem para OUTEIRO DA GLÓRIA

Vale (re)ver  e (re) visitar esse local tão bonito, sua arquitetura, suas histórias!

CLIQUE AQUI!






sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Dia do Papai

Propagandas antigas para o DIA DO PAPAI. 

Hoje até o chamamento ficou menos carinhoso. 
Agora é o burocrático DIA DOS PAIS.

Em 1958, há 60 anos, a forma de apresentação ainda era basicamente o desenho





And last but not least...
 um texto inusitado em que o grande destaque  é o...
" agora sem escadas"




segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Saudades cariocas!



“Esse Rio de Janeiro!
O homem passou em frente ao Cinema Rian, na Avenida Atlântica, e não viu o Cinema Rian.
Em seu lugar havia um canteiro de obras.
Na avenida Copacabana, Posto 6, passou pelo Cinema Caruso.
Não havia Caruso.
Havia um negro buraco, à espera do canteiro de obras.
Aí alguém lhe disse: “O banco comprou.”
                                                                  
 Carlos Drummond de Andrade, em crônica no JB em 1984


Imagem relacionada


A imagem pode conter: carro e atividades ao ar livre

Em tempo: hoje fui ao Caruso (Banco Itaú)  - ! - retirar dinheiro. Coisas da geografia de um outro Rio.


quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Propaganda carioca de 1918...



O xarope Bromil, lançado pelo laboratório de Daudt de Oliveira no início do século 20, tornou-se conhecido como o “amigo do peito".

A partir de 1918 o Bromil foi exaltado pelo poeta, Bastos Tigre, (criador do slogan “Se é Bayer, é bom”) , contratado pelo laboratório, e que publicou na revista Dom Quixote até 1920, em capítulos, as BROMILÍADAS, uma paródia de OS LUSÍADAS de Luís de Camões.

Foram 1102 estrofes contendo 8.816 versos decassílabos,  duas estrofes da obra por anúncio, com estrofação sempre na oitava rima. Sucesso de público e crítica, as Bromilíadas começavam assim:

“Os homens de pulmões martirizados
Que, de uma simples tosse renitente,
Por contínuos acessos torturados
Passaram inda além da febre ardente..."

fazendo excelente paródia do texto original...

"As armas e os barões assinalados,
Que da ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana..."


página da revista Dom Quixote com o início das Bromilíadas