domingo, 28 de setembro de 2014

Elegância Praiana no Rio

A ousadia e pioneirismo dos frequentadores das areias da orla carioca.
Como dizia Ibrahim Sued... DOMINGO , DIA DE PERNAS DE FORA.

Anos 20



 



Fotos: reprodução/ internet



sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Mocidade de ontem, de hoje e de sempre

O jornal carioca JORNAL DO BRASIL, 
em sua edição de 26 de setembro de 1960, publicava interessante
artigo de Peregrino Júnior
- jornalista , sucessor de Pereira da Silva e antecessor de Arnaldo Niskier na ABL - 
sobre a juventude.





 Clique  para aumentar.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Rio... politicamente incorreto em 1974

Há 40 anos a badalada Coluna do Swann publicava a nota de uma moda...


sábado, 20 de setembro de 2014

Rio na primavera de 1969

A Primavera está chegando...

...e a entrada da primavera de 69, há 45 anos, no Rio, trazia para as telonas clássicos que se tornaram grandes sucessos do cinema.

  • No cinema Roxy, Sweet Charity, de Bob Fosse, com Shirley MacLane, Sammy Davis Jr, Ricardo Montalban;




O cine ROXY, que atualmente está dividido em 3 salas, em Copacabana,
na esquina da avenida N S de Copacabana e Rua Bolívar.

  • Nos extintos Capri e Comodoro, Bullitt, com Steve McQueen, Jaqueline Bisset.


 
Acima, o antigo cinema Capri, depois cine Coper, na Rua Voluntários da Pátria, em Botafogo

O Cine Comodoro  funcionou da Rua Haddock Lobo, na Tijuca, de 1967 até 1988.

  • No antigo cine Veneza, Cerimônia Secreta , com Elizabeth Taylor, Mia Farrow, Robert Mitchum.


 O antigo cine Veneza, na avenida Pasteur, hoje uma casa de shows.

Uma curiosidade:  20 de setembro de 1969 também foi um sábado.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

O Copa dos ex-reis e presidentes...

O Copacabana Palace, o mais carioca dos hotéis e símbolo da cidade foi tema preferido das colunas sociais de Ibrahim Sued.



E foi em uma delas , a do dia 17 de setembro de 1969, há exatos 45 anos, que ele nos fala desse belo cantinho carioca, passeando por histórias e personagens, terminando com sua maravilhosa irreverência.

De leve!




Confeitaria Colombo ...120 anos


 Lá se vão 20 anos 
do centenário de uma carioca querida : 
a CONFEITARIA COLOMBO


 
No lançamento do meu livro, a honra da presença dos saudosos e ilustres
componentes da famosa mesa do Flamengo,
de Braguinha e Virginia Lane.


Tempo de concretização e apresentação de um projeto elaborado durante mais de dois anos que incluiu símbolo comemorativo, livro, projeto gráfico de embalagens, folhetos, vitrines, brindes.


Todo esse conjunto ganhou o PRÊMIO RIO COM DESIGN, em 1996, na categoria EMPRESA COMERCIAL conferido pela Prefeitura do Rio de Janeiro, que premiou com o selo RIO COM DESIGN empresas que investiram em design de forma sistemática e consciente e qualificaram seus produtos e serviços cariocas. E a carioca CONFEITARIA COLOMBO primou pelo design desde sempre. Por isso para seu centenário foi feito um trabalho de revitalização da marca.

  



No dia da entrega do prêmio, no MAM do Rio de Janeiro,
no dia 5 de novembro de 1996, Dia do Design 
Elizabeth de Mattos Dias -  à esquerda na foto -
responsável pela criação do projeto e
Vera Marina de Barros Jorge,
à época Diretora de Marketing da Confeitaria Colombo

Parece que foi ontem...


terça-feira, 9 de setembro de 2014

Com ou sem molho?

Com salsicha ou linguiça? 

Não importa se a escolha é pelo tradicional (apenas com pão e salsicha) ou pelo completão (com ketchup, mostarda, maionese, milho, queijo ralado e o que mais tiver).  

Há 130 anos, o cachorro-quente conquista os corações — e os paladares — de muita gente pelo mundo. 

A história conta que, no dia 9 de setembro de 1884, o sanduíche foi inventado na Alemanha, passou pelos Estados Unidos e chegou ao Rio, em 1926,
quando o empresário Francisco Serrador lançou o cachorro-quente em seus cinemas no Rio de Janeiro.


A novidade até inspirou Lamartine Babo e Ary Barroso, a criarem em 1928, a marchinha “Cachorro-quente”.

Comer
Cachorro quente lá no bar
Por certo a moda vai pegar
Por não ser vulgar...
Comer
Vai toda a gente ao "quarteirão"
Pois há lingüiça em profusão
Pra comer com pão...
Que bom lamber...
Trincar... Comer...
Um cachorrinho tentador
No "Quarteirão do Serrador"
Comer
É bem melhor do que beber,
Pois dá sustância e faz crescer
Todo e qualquer ser...
Comer
É verbo bom de conjugar
Quando queremos conquistar
Um "pirão" no bar...

 
Em 1945, a iguaria de popularizou.

Ah...bons tempos do cachorro quente das Lojas Americanas... o cachorro quente da Mesbla... o cachorro quente das carrocinhas da Geneal nas praias...

 Hoje, aqui no Rio, há 765 barraquinhas legalizadas que vendem sanduíches com preços que vão de R$ 3 a R$ 8.
Apesar da idade avançada, o cachorro quente foi se modernizando e ganhando novos ingredientes: o cachorro especial para vegetarianos, talvez com abacaxi no lugar da salsicha; com  linguiça de pernil  e por aí vai. 

OUTRA VERSÃO:
Em 1904, nos Estados Unidos, um vendedor de salsichas quentes oferecia luvas de algodão para os clientes não queimarem as mãos (só que eles se esqueciam de devolvê-las). Seu cunhado, que era padeiro,então sugeriu que o salsicheiro começasse a usar pão.

UMA OU OUTRA HISTÓRIA, NA VERDADE É QUE SURGIU UMA DELICIOSA IGUARIA.





segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Miltinho... foi assim a lâmpada apagou

Foi a voz peculiar desse CARIOCA, intérprete maior de clássicos como “Mulher de trinta”, “Meu nome é ninguém”," Menina-Moça", dentre tantos outros, o caminho de sucessos, iniciado nos anos 1960.

Em 1998, quando completou 70 anos, lançou o CD "Miltinho Convida" - ESSE CD É UM SHOW!  - com várias participações como as de João Nogueira, João Bosco, Luiz Melodia,...

 E é desse CD, a  faixa MEU NOME É NINGUÉM, em belo dueto com Fafá de Belém, que fica, aqui, como homenagem  e saudades do blog.






“Foi assim, a lâmpada apagou..."

VIVAS A MILTINHO!

domingo, 7 de setembro de 2014

Domingo carioca com música carioca

A linda composição de dois cariocas, Joyce Moreno e Francis Hime... CINEMA BRASIL





sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Em tempos de eleição... uma curiosidade

Um conto pertinente...



" Em boca fechada bem-te-vi não faz ninho

Campos de Melo passou todos os anos de sua vereança sem dar uma palavra. 
Era o boca-de-siri da câmara municipal de Cuité. 
Até que, uma tarde, ergueu o busto, como quem ia falar. 
O presidente da Mesa, mais do que depressa, disse:

— Tem a palavra o nobre vereador.

Então, em meio do grande silêncio, o grande mudo falou.

— Peço licença para fechar a janela, pois estou constipado." 

                                           José Cândido de Carvalho (1914 - 1989)



José Cândido de Carvalho jornalista, contista e romancista, faria 100 anos.
Nasceu em Campos mas viveu boa parte de sua vida e exerceu suas atividades na cidade do Rio de Janeiro.
 
Sua obra de ficcionista é das mais originais, graças à linguagem pitoresca e aos personagens, ora picarescos, ora populares extraídos do "povinho do Brasil".

Admirador de Rachel de Queiroz e José Lins do Rego, começou a escrever, em 1936, o romance Olha para o céu, Frederico!, publicado em 1939. 
Somente 25 anos depois de ter publicado o primeiro romance, José Cândido publica, em 1964, pela Empresa Editora de "O Cruzeiro", o romance O coronel e o lobisomem, uma das obras-primas da ficção brasileira, lançado, em filme, em 2005.

José Cândido de Carvalho assumiu a Cadeira n. 31, sucedendo a Cassiano Ricardo na Academia Brasileira de Letras,onde foi recebido em 10 de setembro de 1974.


quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Árvores centenárias se dobram ao vento, no Rio

Uma forte ventania foi registrada nesta quarta-feira em alguns pontos do Rio. 

Por volta das 7h, houve rajadas de 96 km/h no Forte de Copacabana, na Zona Sul; 86km/h, na Restinga de Marambaia e de 55km/h, em Santa Cruz, na Zona Oeste, de acordo com Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

E aí...a ventania derrubou árvores, provocando belos - apesar de prejudiciais - momentos da natureza, onde centenárias se dobraram.



Árvore cai em cima de carros na Av. Epitácio Pessoa, esquina com Joana Angélica Foto: Eduardo Diniz / O Globo

Homens tentam abrir passagem na Avenida Epitácio Pessoa, na Lagoa Foto: Ivo Gonzalez / Agência O Globo