quarta-feira, 11 de setembro de 2019

O Rio em 1948, por Humberto Mauro


Filmes de Humberto Mauro, de 1948.



Um outro Rio de Janeiro












Resultado de imagem para humberto mauro


Humberto Mauro (1897 - 1983) foi um dos pioneiros do cinema brasileiro. Fez filmes entre 1925 e 1974, sempre com temas brasileiros.


 



terça-feira, 10 de setembro de 2019

REMEXENDO NO BAÚ...duas avenidas cariocas de setembro


Vale (re)ler!
   
A Presidente Vargas e a Rio Branco


João do Rio a definiu como "esse grande Sabá arquitetônico de dois quilômetros", por onde passa "o Rio inteiro, o Rio anônimo e o Rio conhecido".


Ah, Avenida Central!


O corte ousado, no urbanismo da cidade, de mar a mar, que transformou a vida carioca, com a demolição de 590 edificações.


Curiosamente foi inaugurada duas vezes, a primeira delas em 7 de setembro de 1904, ao final das demolições e em 15 de novembro de 1905, para celebrar o final das suas construções.
A Avenida Central em dois tempos:


Obras para a Avenida Central


Foto de Augusto Malta

No início do século, após inaugurada.
Intercessão da Av Rio Branco com a hoje denominada Rua da Ajuda, antes Rua do Chile.
A Rua do Chile desapareceu em sua maior parte com a abertura da nova Avenida.


*****


Desde os tempos de D. João VI já se pensava em construir um canal navegável ligando o mar ao Rocio Pequeno, atual Praça Onze de Junho. O canal teria como objetivo secar um enorme pântano existente próximo da Cidade Nova, que era um foco de doenças, mosquitos e exalações desagradáveis. Mas só em 1857, foi iniciada a construção do Canal do Mangue, que foi a maior obra de saneamento do Rio de Janeiro, na época do Império, contratada ao Barão de Mauá.


No Governo de Henrique de Toledo Dodsworth, como prefeito do Distrito Federal, a ideia de prolongar a Avenida do Mangue até o Cais dos Mineiros, atual Arsenal da Marinha, foi posta em prática e foi aberta a Avenida Presidente Vargas, para a qual foram demolidos 525 prédios e desapareceram velhas ruas.

Assim nasceu a Avenida Presidente Vargas em 7 de setembro de 1944.

A Presidente Vargas em construção




Resultado de imagem para avenida presidente vargas inauguração
  A avenida Presidente Vargas recém inaugurada


Resultado de imagem para avenida presidente vargas





Crônica Carioca de todos os tempos


Da revista PIAUI
a crônica de ANTONIA PELLEGRINO, 
da segunda edição, de novembro de 2006



"O PRÍNCIPE DE COPACABANA
Como falir sem perder a elegância


A os 57 anos, Diduzinho Souza Campos tem todos os motivos para ser casmurro, ressentido e rabugento, mas não é. O enfant gâté dos anos 70, que só fazia a barba no Country Club e achou ruim quando se mudou da mansão de cinco andares, em Copacabana, onde vivera 25 anos, para um apartamento debruçado sobre o mar de Ipanema, hoje mora num modesto imóvel de 85 metros quadrados no Corte do Cantagalo. Nenhum bacana mora por ali. Filho único dos jet setters Didu e Tereza Souza Campos, Diduzinho não reclama: “O espaço é pequeno, mas é só abrir a janela que se tem a sensação de amplitude”.


Não que Diduzinho aprecie a vista. Faz 24 anos que seus olhos deixaram de funcionar. Tudo lhe parece completamente desfocado, mesmo com a ajuda de dois óculos, um para longe e outro para perto, ambos fundo de garrafa. “Nem sei o meu grau. Só sei que disso não passa, é o maior que se pode ter. Minha visão piorou com a idade, os óculos não podem acompanhar.” Aos olhos de Diduzinho, as pessoas não envelhecem, tudo é colorido, as luzes resplandecem, as cores brancas brilham como fogos de artifício. “O espetáculo dos fogos no final do ano, eu vejo melhor que todo mundo”, se gaba. A audição tornou-se uma terceira bengala. Certas atividades, como passar a chave na fechadura ou usar o controle remoto, são feitas apenas com o tato. “Tive que reaprender tudo, até a andar”, ele diz, caminhando vagarosamente por Copacabana, o braço esquerdo apoiado na acompanhante, uma bengala de galho de goiabeira na mão direita. Passa uma loira, Diduzinho olha. E pergunta: “É bonita?”.

Diduzinho tinha olho vivo para loiras, ruivas e morenas. Até a noite de 22 de setembro de 1982. Virado já fazia três dias, foi jantar no restaurante Fiorentina e esticou na boate Hippopotamus. De lá, seguiu para casa e, na curva do Calombo, na Lagoa, seu Passat derrapou. Diduzinho foi cuspido através do vidro. “Quando cheguei no pronto-socorro, meu rosto parecia uma rosa”, lembra. Daí seguiram-se quatro meses entre a Clínica São Vicente e tratamentos em Houston. Quando Diduzinho deixou o hospital americano, estava cego do olho direito e com apenas 10% da visão do olho esquerdo.

O ex-playboy andava sem carteira. Nos restaurantes e boates sua assinatura em qualquer papel era tratada como dinheiro. Chegava a gastar o equivalente a 3.500 reais numa noitada. Hoje é aposentado por invalidez no INSS e vive apenas com a pensão de mil reais por mês, além de ajudas casuais de familiares e amigos. “Estou sempre devendo ao banco, é um inferno. Me sinto sentado numa bomba. Não sei viver assim. Para mim, as coisas sempre caíram do céu”, conta.

Diduzinho faz várias fezinhas por dia.Começa pela manhã, presenteando a esposa, Carmen de Souza Campos (quinze anos de casados), com duas raspadinhas de 50 centavos: “Eles pagam até 10 mil”. Ainda à mesa do café-da-manhã, Carmen abre o jornal e lê em voz alta o resultado da loteria. Diduzinho aposta religiosamente há mais de quinze anos. Ganhou uma única vez, 86 reais no terno da quina. “Se eu acertar, compro um apartamento no meu prédio mesmo, faço um seguro-saúde e vou para Paris”, ele diz, e emenda animado: “O bom de jogar na loteria é que a gente vai pra cama e esquece os problemas, só pensa no que vai fazer com o dinheiro se ganhar no dia seguinte”.

Herdeiro do título de conde da Graça, concedido pelo rei de Portugal ao seu tataravô, Diduzinho foi criado entre as pradarias do Gávea Golf Club, onde jogava quatro dos seis tempos de pólo no time dos amigos de seu pai, e o Country Club, onde passava a tarde praticando sinuca e tênis, de papo nas grandes mesas de almoço ou nos banhos de piscina. Diduzinho ferveu nas boates Le Bateau, Girau e Zum Zum num Rio de Janeiro fantástico, década de 1970, quando pululavam festas no estilo Grande Gatsby local. “A cidade era muito pequena. Todo mundo se conhecia. Eu chegava na Zum Zum e, pelos carros, antes de entrar já sabia quem estava lá.” Entre outras atividades sociais, chegou a freqüentar diversos cursos na PUC. Não se formou em nenhum. “Nunca quis largar a barra da saia de mamãe, não batalhava nem sabia ganhar dinheiro. Sabia dar dinheiro.” E foi o que Diduzinho fez — enquanto pôde.

Já em 1972 apareceram as primeiras dificuldades. A separação dos pais acelerou o processo de venda dos bens da família. “Meu avô, Vilobaldo Souza Campos, foi rico. Meu pai torrou a herança. Era funcionário do Banco do Brasil, tinha uma vida que não condizia com o que ele ganhava”, conta Diduzinho, que aos 25 anos se viu obrigado a pegar no batente. Como adorava fotografia e cinema, foi contratado por Bruno Barreto para fazer fotografia de cena no filme A estrela sobe, mas abandonou o set de filmagens para viajar. Ainda assim, na volta aproveitou a experiência e conseguiu um trabalho de cinegrafista na TV Globo. A vida de estivador não lhe caiu bem. Logo o playboy foi transferido para o departamento de vendas internacionais da emissora. “Minha sala e a do Otto Lara Resende eram vizinhas. Os almoços naquela época demoravam horas. A Globo era glamourosa.” Em outro tom, a festa continuava.

Não continua mais. Diduzinho soube se adaptar. Hoje seu maior interesse é manter a serenidade. Suas terapias são os exercícios na academia de ginástica do 30º andar do Othon Palace, três vezes por semana, e duas sessões semanais nos Alcoólicos Anônimos da rua República do Peru, em Copacabana. “Não faço nada sozinho. Preciso da Carmen pra tudo. Sem a minha mulher eu fico perdido”, diz ele ao entrar na sala dos AA — codinome: Aerolíneas Argentinas —, onde gosta de sentar sempre no mesmo lugar, uma cadeira atrás da pilastra, para se proteger do sol. Na hora de seu depoimento, a voz mansa, calma e pausada dá lugar a uma fala ansiosa e atropelada, como uma catarse: “O cavalo passou selado e eu não montei” e “Acelerei na reta e derrapei na curva” são os seus bordões. “Eu entro chorando e saio rindo”, comenta já no ponto de ônibus, fazendo sinal para o circular. E revela: “Gosto de andar de ônibus. Aqui a gente vê as pessoas e fica imaginando a vida que elas têm. Se a gente soubesse, se surpreenderia. Ninguém diria que eu sou filho de princesa”, diz ele, referindo-se ao título de princesa que Tereza ganhou em 1990 ao se casar com dom João Nepomuceno Maria Felipe Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orleans e Bragança.

De volta a casa, Diduzinho se apressa em fazer a cama. “A Carmen briga comigo se eu não estico o lençol. Ela tem mania de limpeza, só temos empregada de quinze em quinze dias, mas aqui é tudo organizado”, diz orgulhoso, enquanto abre a geladeira e a despensa e mostra a arrumação perfeitamente simétrica. “De noite, encontro o que quiser sem precisar acender a luz.” Carmen ordena o armário de Diduzinho em ton sur ton para facilitar. “Meu corpo não mudou muito”, comenta garboso. “Essa calça eu comprei no Saint Laurent há trinta anos; uso até hoje.” Diduzinho preza muito a elegância. Adora azul, roupa bem cortada, feita de tecido nobre. “Não uso meia que tenha náilon, só com fio escocês.” Veste-se com apuro. Caminha altivo. Ao longo do dia, suas roupas não amarrotam. “Respeito certos rituais na área da vestimenta. Tenho uma roupa para ir ao médico e outra para tomar café. Odeio ir com a mesma roupa de um lugar para outro. Nunca usei calça bege com sapato preto. Hoje eu noto essas coisas e fico horrorizado.” 

Diduzinho diz: 

“Eu tinha uma vida de príncipe e não sabia”."


sexta-feira, 6 de setembro de 2019

O Clube dos Cafajestes



Instituição carioca das mais “folclóricas”, o Clube dos Cafajestes era uma turma que não tinha medo de ser feliz . Amavam  festa, a animação, as brincadeiras.

Imperaram nas décadas de 1940, 1950 e chegaram até o finalzinho dos anos 1960. Ecléticos, irreverentes, alegres, em geral nascidos em famílias abastadas e da classe média alta.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e atividades ao ar livre

A Confeitaria Alvear, em Copacabana, na avenida Atlântica, esquina com a República do Peru, era o point do Clube. Virou o lugar da moda. Mas nem sempre as noites acabavam bem. Namorados ciumentos e vizinhos sem humor (!) muitas vezes faziam com que as coisas não acabassem muito harmoniosas. Ou seja, acabassem  em briga.

Nenhum desses rapazes levava desaforo para casa e a “seriedade” não era muito apreciada entre eles, já que gostavam de uma boa briga e de fazer coisas absolutamente inusitadas e provocativas. Criativos, corajosos e mulherengos, andavam juntos durante o ano inteiro, abafavam no Carnaval, e nas suas disputadas festas não faltavam boas bebidas, excelentes orquestras e, claro, a companhia feminina.


Mas quem eram eles?




Seu fundador foi Edu (Eduardo Henrique Martins de Oliveira), comandante da Panair do Brasil - foto ao lado  que jogou no juvenil do Botafogo no início da década de 1930. Outros botafoguenses também fizeram parte como fundadores, como Althemar Dutra de Castilho (futuro presidente do alvinegro) e um dos mais discutidos jogadores de futebol de todos os tempos, Heleno de Freitas.

A turma era da pesada.  O Clube era uma verdadeira instituição da boemia carioca. O painel de sócios do inusitado clube, com um código de ética jamais escrito, era composto por “cafajestes” de primeira linha.

O nome? Surgiu por acaso.

A história começou assim. Voltavam de uma festa pré-carnavalesca quando a vizinha de Edu  -  endereço ponto de encontro da turma -  que os odiava, gritou aos netos " Crianças todas para dentro, que chegaram os cafajestes malucos". E aí um dia, à saída da casa de Edu, para uma festa, o grupo - cerca de quinze - cruzou com a mesma senhora e com seu ar de reprovação. Um dos rapazes, na galhofa, então, gritou: "Madame, se fores a Teresópolis não esqueças de aparecer na festa dos cafajestes". Estava carimbado o nome!



"Nós usávamos este título: "cafajestes'", mas não tínhamos nada de cafajestes. Quase todos tinham curso superior, trabalhavam e falavam línguas (nada a ver com os Pitboys de hoje)."
Mário Saladini, um dos "cafajestes"


Faziam parte deste time um grupo carioca e outro paulista:

o famoso playboy e milionário Mariozinho de Oliveira, que foi o último remanescente do clube, morreu aos 90 anos em 2016

o membro da família imperial brasileira Dom João de Orleans e Bragança (oficial-reformado da Força Aérea Brasileira),

 o industrial Francisco Matarazzo Pignatari, o Baby Pignatari

o rubro-negro, produtor de cinema e dono do canal 100, Carlos Niemeyer, à época piloto da aviação comercial,

o jornalista e político Carlos Lacerda,

o  playboy do Copacabana Palace Jorginho Guinle, 

Ibrahim Sued  - que também entrou para o grupo, tempos depois, após ser barrado em uma das festas, mas como seu irmão, Alberto Sued fazia parte da trupe, mandou liberá-lo e juntou-se ao grupo dos boêmios.

Bubi Alves (botafoguense),

Carlos Peixoto, 

Carlos Roberto de Aguiar Moreira (secretário-geral particular do presidente da República),

Cassio França, 

Celmar Padilha, 

os irmãos Darcy Froes da Cruz e Oldair Froes da Cruz, 

Ermelindo Matarazzo (milionário que era goleiro reserva e torcedor botafoguense),

Ernesto Garcez Filho, 

Fernando Aguinaga (botafoguense), 

Francisco Albano Guize, 

Helio Leitão de Almeida (FAB), 

Ivan Cardoso Senior, 

Léo Peteca, 

Mário Saladini, 

Paulo Andrade Lima, 

Paulo Soledade (piloto da aviação comercial),

Raimundo Magalhães, 

Raul Macedo (botafoguense), 

Sérgio Pettezzoni, 

Sérgio Porto (Stanislaw Ponte Preta),

Vadinho Dolabella,

Waldemar Bombonatti (botafoguense e namorado da cantora Linda Batista) ...

...entre outros bons vivants. 


(A lista completa - em torno de cem nomes - pode ser encontrada no livro 
"Cafajestes" com Muita Honra!", de Mário Saladini)

"O nosso esporte era rir, beber e, entre outras coisas, fazer as maiores estripulias por toda a cidade. Éramos unidos em uma amizade, despojada de preconceitos. O clube primava pelo espírito de gozação, esse espírito nosso bem carioca, embora nem todos tivessem nascido aqui no Rio."

Os curiosos, amados, temidos e reverenciados “cafajestes” tinham uma noite anual muito especial. Era o famoso Caju Amigo, baile pré-carnavalesco, onde era proibido levar a própria mulher, ou namorada, mas cada um dos cotistas (todos eles) tinha a obrigação de convidar quatro mulheres; "uma "mediazinha" bem razoável para quem gosta!", diziam. Variavam de local. Começou em casarões desocupados de Copacabana, depois no Clube Marimbás (a maior parte) e os três últimos na boate Sucata.

"Entre eles ninguém cogitava de ir para o céu, padecer no purgatório ou arder no inferno. Eram fuzarqueiros, mulherengos, boêmios, ligadões nas boas farras da vida. Ninguém melhor do que eles, os membros do “Clube dos Cafajestes”, representava a alma carioca das décadas de 40 e 50. Para eles, o paraíso, o começo e o fim da vida, era Copacabana."

Heleno de Freitas,o  doutor Heleno, como alguns o chamavam porque havia se formado em Direito, tinha o diploma da malandragem,  mas uma figura que pontificava no Clube, idolatrado por todos, era o comandante Edu. Folgazão e sempre de bem com a vida, e pronto para qualquer peripécia especial.

Mas o dia 28 de julho de 1950, mudou  a trajetória irreverente.

Pilotando o “Constellation” prefixo PP-PCG, Edu decolara do Galeão às 15:47, rumo a Porto Alegre. Como sempre, alegre, brincalhão e festeiro, havia prometido aos companheiros do Clube a melhor carne gaúcha para churrasco, chegasse ele a hora que chegasse de volta, na Confeitaria Alvear, em Copacabana.

Na hora prevista para o pouso em Porto Alegre, já anoitecia e a região metropolitana estava banhada por uma daquelas chuvas intermitentes de inverno, acompanhadas de cerração. Ao anunciar aterrissagem à Torre de Controle, o comandante Edu não obteve permissão, porque o então Aeródromo São João, naquelas condições climáticas, com sua pista de chão puro, não comportava pouso de aviões tipo “Constellation” e “Douglas”.

O piloto recebeu então a ordem de pousar na Base Aérea de Gravataí, onde já havia piso asfaltado. Mas, tinha pela frente o desafio de encontrar o quadrilátero de aterrissagem, escondido sob a noite, a cerração e a chuva: a Base não possuía instrumentos sinalizadores de aproximação.

Eram oito da noite em São Leopoldo, quando o silêncio do Morro do Chapéu, encoberto pela neblina e pela escuridão, foi destruído por um estrondo de guerra e um crepitar de chamas gigantescas: havia um gigante de pedra no caminho daquelas 51 vidas que estavam a bordo do Constellation da Pannair. Sem dar tempo para o calafrio final, o cataclismo a ninguém poupou, decompondo corpos ou os entregando às chamas.



O Clube dos Cafajestes esperou, numa vigília inútil, a volta de seu líder e a carne para o churrasco.

Após a tragédia, a tristeza abateu-se sobre o grupo, e paulatinamente surgiu uma música, que não se pretendia que fosse divulgada, mas que acabou sendo cantada no Brasil inteiro no carnaval de 1951.

A música foi composta por Fernando Lobo e Paulinho Soledade, também comandante, e colega de Pannair. Diz a lenda que na mesa em que foi composta, estavam também Aracy de Almeida e Dorival Caymmi. Vinham todos da missa de sétimo dia do Edu.


Oi zum, zum, zum, zum, zum, zum, zum,
Tá faltando um
Oi zum, zum, zum, zum, zum, zum, zum,
Tá faltando um

Bateu asas foi embora, desapareceu
Nós vamos sair sem ele
Foi a ordem que ele deu

Oi zum, zum, zum, zum, zum, zum, zum,
Tá faltando um
Oi zum, zum, zum, zum, zum, zum, zum,
Tá faltando um

Ele que era o porta-estandarte
E que fazia alaúza e zum, zum
Hoje o bloco sai mais triste sem ele

Tá faltando um
Oi zum, zum, zum, zum, zum, zum, zum,
Tá faltando um
Oi zum, zum, zum, zum, zum, zum, zum,
Tá faltando um


A gravação foi de Dalva de Oliveira.



No dia seguinte os jornais estampavam as manchetes: “Maior desastre da aviação brasileira” " A Maior tragédia aérea do Brasil"






Depois da tragédia, assumiram a liderança no Clube, seus substitutos naturais, Mariozinho de Oliveira e Carlinhos Niemeyer.


A revista Manchete, de 31 de janeiro de 1953, publicou uma reportagem sobre o adeus dos "cafajestes".



A matéria contou que os principais integrantes do Clube andavam de "saco cheio" com a exploração em torno do nome e com o assédio ao grupo. Resolveram encerrar os trabalhos. Curiosamente, a reportagem foi assinada por Flávio Porto, ele próprio um dos cafajestes de carteirinha. As fotos da última festa de arromba foram de Yllen Kerr e Aymoré Marella.

































Flávio concluiu a reportagem com um tom de lamento:

"O término dos Cafajestes 
é uma perda enorme 
para a alegria desta cidade 
onde tantos se divertem tão pouco."



domingo, 1 de setembro de 2019

Em outros setembros...



֍  Em 1 de setembro de 1959,
uma curiosa crônica de Rubem Braga, sobre coisas cariocas



֍  Em 1 de setembro de 1969
uma canção era promessa no Festival Internacional da Canção: MINHA MARISA. Seus compositores assim a definiram









֍  Em 1 de setembro de 1979

a ousadia anunciada na primeira página que se concretizou e virou rotina na cidade


domingo, 25 de agosto de 2019

Era Uma Vez: Uma modinha...


...que revelava Taiguara e 
vencia o Festival de MPB da Excelsior,
o "BRASIL CANTA NO RIO"




Em agosto de 1968, a TV Excelsior, a primeira emissora a realizar um festival de música popular, três anos antes, investia no seu “O Brasil Canta no Rio”, tentando neutralizar o sucesso que esses festivais faziam na TV Record de São Paulo.

O evento reuniu todas as emissoras de rádio e de televisão que faziam parte da Excelsior, e o local da grande final não podia ser outro que o Maracanãzinho, o palco dos grandes eventos musicais do Rio de Janeiro nos anos 60, 70 e 80.

O espetáculo musical nada ficou a dever aos Festivais que a TV Record já produzia com muito cuidado, e revelou um grande intérprete, Taiguara (1945-1996), e um compositor sensível e também grande letrista, Sérgio Bittencourt (1941-1979), filho de Jacob do Bandolim (1918-1969).


Com a bonita e melancólica “Modinha”, Sérgio Bittencourt conquistou o primeiro lugar e levou um prêmio de NCr$ 40.000,00, enquanto Taiguara levava o troféu de melhor intérprete e NCr$ 10.000,00. A música foi um marco na carreira do cantor, que a partir desse festival se transformou em um dos cantores e compositores mais respeitados do Brasil.

Taiguara e Sergio Bittencourt




No segundo lugar ficou o talento dos irmãos Marcos e Paulo Sérgio Valle com a canção “Ultimatum”, na interpretação sempre segura da cantora Maria Odete, que vinha se especializando em defender canções nos festivais pelo Brasil afora.


Maria Odete e Paulo Sergio Valle à direita



Em terceiro ficou “Paixão Segundo o Amor”, composta e interpretada pela cantora Tuca, outra que se especializava em participar de festivais de música, e que foi a única representante paulista entre as finalistas. No quarto lugar uma música com tons repentistas e que representou a Bahia, “Fala Moço” dos compositores Alcivando Luz e Wilson Lins.


“O Brasil Canta no Rio”
também ficou famoso por deixar de fora dos finalistas um samba de Ataulfo Alves (1909-1969), interpretado por Carlos Imperial (1935-1992), chamado “Você passa e eu acho graça”, e que viria a se tornar um grande sucesso logo depois, na voz de Clara Nunes.




A irreverência e as provocações de Imperial para um público estimado em 30 mil pessoas, contribuíram para que a música e o cantor e compositor fossem muito vaiados. Mas a vaia, assim como o aplauso, também era um charme e um destaque à parte nesses festivais musicais que fizeram história na nossa telinha.

Nesse festival ainda tivemos outras músicas que se tornaram clássicos 
como " Bloco do eu sozinho" de Marcos Valle e Rui Guerra
e "Festa" de Dori Caymmi e Nelson Motta.












quarta-feira, 21 de agosto de 2019

O ontem e o hoje de ruas cariocas, outrora tradicionais

...a rua é um fator da vida das cidades, 
a rua tem alma!
 (  João do Rio )

"Na pequena Ramalho Ortigão, rua de paralelepípedo, estreita, mas com movimento de carros intenso, há uma loja de lingerie, uma joalheria, uma Di Santinni e a Escola de Música Villa-Lobos. 
Ela desemboca na Rua Sete de Setembro – onde mora Augusto-Epifânio, em um sobrado sobre uma chapelaria feminina. Se olharmos para o alto dos sobrados nos dias de hoje, vemos escrito em um deles “Fábrica de Chapeos de Sol”. 
O sobrado de três andares está lá e, em vez de chapelaria, funciona no local uma loja de roupas feminina, que vende linho e cetim." (  Rubem Fonseca  )

 
Resultado de imagem para rua ramalho ortigão centro rj
Anos 1940 e atualmente



"E assim, ouvindo os diálogos da cidade, saí pra reinventar o sábado, atrasado. No pequeno trecho da Rua da Relação, seguindo para Lavradio. 
...Não era apenas um sábado, mas o primeiro sábado do mês. Por entre os prédios, artes e antiguidades...
Uma ode para a Lavradio. Encantada, com a sua sensatez, com a sua timidez...Se cruzam no Rio, de um Janeiro, Lavradio". ( Elian Almeida)

Resultado de imagem para rua do lavradio 
Resultado de imagem para rua do lavradio
Anos 1920 e atualmente



"Rua do Ouvidor...No século XXI, aquela rua estreita, com sobrados centenários, já não tem a mesma importância para a cidade da época em que abrigou as butiques mais chiques, perfumarias, joalherias, badalados cafés e confeitarias… 
Não é a mesma da época em que a livraria José Olympio, instalada ali entre 1934 e 1955, foi point de escritores, como Rachel de Queiroz e Graciliano Ramos. Mas ainda é fiel guardiã do espírito carioca, com suas concorridas rodas de samba, lançamentos de livros, boa gastronomia. Fica ali o mais antigo restaurante do país, o Rio Minho, de 1887." ( Telma Alvarenga)

Resultado de imagem para rua do ouvidor
Resultado de imagem para rua do ouvidor
1890 e atualmente


"Rota de escravos, ponto de ciganos e prostitutas, endereço de festas da elite, canteiro de obras de Pereira Passos, centro comercial popular. 
Em quase 250 anos, a Avenida Marechal Floriano entrou no mapa de todas as classes sociais. Presidentes * estudaram e moraram ali ,negros foram negociados como mercadorias, uma princesa caminhou rumo ao altar." ( Renato Grandelle)

*Os presidentes foram Hermes da Fonseca e Nilo Peçanha e a princesa foi D.Tereza Cristina.


Resultado de imagem para avenida marechal floriano igreja de santa ritaResultado de imagem para avenida marechal floriano
1906 e atualmente


"A Repartição da Alfândega se tornou porta de entrada de boa parte dos estrangeiros que chegavam ao Rio de Janeiro. O número de pessoas de outros países por aqui cresceu bastante a partir de 1808, após o Decreto de Abertura dos Portos às Nações Amigas. 
Nessa época, muitos ingleses chegaram ao Rio de Janeiro e se instalaram na Rua da Alfândega. Posteriormente, instalaram-se os sírios e os libaneses. O povo os chamava de “turcos”, pois tanto a Síria quanto o Líbano estavam sob domínio da Turquia. 
A maioria das pessoas que chegavam à Rua da Alfândega era comerciante. Por isso, a região foi tomando a forma que tem atualmente." ( DiariodoRio)

rua-da-alfndega-1903-Albertino-Cavalieiro-BN-Digital Resultado de imagem para rua da alfândega hoje centro do rio
Imagens de 1903 e atualmente



"Corredor arquitetônico. A Rua da Carioca concentra uma grande quantidade de imóveis históricos do Centro do Rio, descaracterizados para abrigar estabelecimentos comerciais nos seus térreos. 
Uma das mais tradicionais da cidade do Rio de Janeiro, com edificações que remontam ao Rio antigo, é considerada sítio cultural da capital fluminense...
Num passado recente, a rua perdeu casas centenárias. O Pince-Nez de Ouro (1910), no número 28, A Mala Ingleza (1900), no 43. Nem se fala da Casa Tupy, no número 6... esta ressuscitada em forma de Casas Bahia. Mesma sorte não agraciou o antigo Cine Ideal, cujos quatro prédios geminados são uma espécie de mausoléu à nossa indiferença cultural."
Resultado de imagem para rua da cariocaResultado de imagem para rua da carioca  2019




domingo, 18 de agosto de 2019

AGOSTO, comemoração em Paquetá!



São Roque, padroeiro da Ilha de Paquetá



Festa Junina Paqueta - Foto de About Rio

A devoção de São Roque foi introduzida em Paquetá por Manuel Ferreira Camelo, que construiu a capelinha original desse santo, em 1698. 

Vale (re)ler, aqui !



domingo, 11 de agosto de 2019

11 de agosto e o Dia do Pendura



Tomar refeição em restaurante, 
alojar-se em hotel ou 
utilizar-se de meio de transporte 
sem dispor de recursos para efetuar o pagamento:

Pena - detenção, de quinze dias a dois meses, ou multa.


Pois é, mas o dia 11 de agosto, tornou o crime, uma tradição. 

É dia de festa para os acadêmicos dos cursos de Direito do Brasil, “Dia do Advogado”, que repete a tradição de mais de 170 anos, a tradição de um crime, o crime de - estelionato - causando problemas para os donos de bares e restaurantes brasileiros e infelizmente, na maioria dos casos que chegam à Justiça, os estudantes, absolvidos.

O início, 11 de agosto de 1827, D. Pedro I instituiu no Brasil os dois primeiros cursos de ciências jurídicas e sociais. Devido à criação desses cursos jurídicos no Brasil, hoje também é comemorado o Dia do Advogado, também conhecido como Dia do Pendura, uma tradição do início do século XX.

Nesta época, os comerciantes costumavam homenagear os estudantes de Direito deixando-os comer de graça. Essa era uma forma de atrair mais fregueses, pois, naquela época, os estudantes eram quase todos de famílias ricas.

Com o tempo, o número de alunos cresceu muito e os restaurantes não queriam mais aceitar que eles não pagassem pelo que comessem. Na década de 30, os estudantes da Faculdade de Direito do Largo São Francisco oficializaram o Dia de Pendura.

O advogado criminalista, professor de Direito Penal, mestre e doutor em Direito Penal pela USP, Luíz Flávio Borges D'Urso, diz:

“O verdadeiro pendura, segundo a tradição, deve ser iniciado discretamente, com a entrada no restaurante, sem alarde, em pequenos grupos, para não chamar a atenção.

Após isso, o líder e orador, deverá levantar-se e começar a discursar, sempre saudando o estabelecimento e seu proprietário, agradecendo o "convite" e a hospitalidade, enaltecendo a data, os colegas, a faculdade de origem, o Direito e a Justiça, tudo isso, sob o estímulo dos aplausos e brindes dos demais colegas do grupo.

Esse é o verdadeiro pendura, que pode ser aceito ou rejeitado. Caso aceito, ficará um sabor de algo faltante! Agora se rejeitado, deve partir dos estudantes de direito a iniciativa de chamar a polícia e de preferência dirigindo-se todos à Delegacia mais próxima, o que lhes dará alguma vantagem pela neutralidade do terreno.

Deve-se procurar uma mesa em local central, quanto mais visível melhor. Prossegue-se, com bastante calma, observando-se cuidadosamente o cardápio, inclusive os preços, que sabe não irá desembolsar. O pedido deve ser normal, discreto, sem exageros, admitindo-se inclusive camarões e lagostas.”


“Garçom, tira a conta da mesa 
e ponha um sorriso no rosto. 
Seria muita avareza 
cobrar do 11 de agosto”.


Digno de nota é a utilização do conhecimento jurídico para o cometimento do crime, que desta forma assim ensina o ilustre professor:
“No pendura, a refeição é realizada, todavia, o estudante deverá ter consigo dinheiro, cheque ou cartão de crédito, portanto, meios para pagar a refeição, descaracterizando o tipo penal e afastando o delito, de modo que, embora tenha condições para pagar, não o fará em respeito à tradição.

Todas inovações devem ser evitadas, preservando-se a tradição do pendura, com o indispensável discurso, rememorando o papel daqueles "moços" que fizeram os caminhos de nosso país, estimulando, assim, o empenho destes outros "moços", jovens, para que transformem os destinos da nação!”

Atualmente a tradição caducou bastante. Há os que defendem a “tradição do crime”, mas os que imputam o "Pendura" como "uma tentativa criminosa de permitir que justamente os profissionais que devem colaborar para a manutenção da ordem, não o façam". Também nos anos do início da tradição, eram tempos de mais gentileza e postura. Muitas comemorações dos últimos anos foram agressivas e abusivas.

Imagem relacionada




segunda-feira, 5 de agosto de 2019

Remexendo no baú...O casarão do Leme




Em uma das esquinas do charmoso Leme,
 ao fundo, bem ao fundo, avista-se uma casa 
que poderia servir de protagonista para um enredo 
sobre arquitetura, 
sobre as várias gerações de uma família 
e sobre o mercado imobiliário do Rio. 



Vale ler ou reler!

Clique AQUI e saboreie.


Resultado de imagem para casarão no leme primeira casa em concreto armado



segunda-feira, 29 de julho de 2019

29 de julho...aniversário da carioca Isabel


As lágrimas da Princesa.
"Para um aniversário da Condessa d'Eu , haviam-me ensinado em português um soneto que o Imperador Pedro II , o pai da Condessa d'Eu , tinha escrito.
Nesse poema, ele falava das palmeiras e das flores do exílio , certamente belas, mas tão menos bonitas que as da sua pátria.
Pássaros que cantavam também com graça , mas com tão menos encanto que os do Brasil...
Depois da missa rezada no Castelo d'Eu , reunimos-nos todos no grande hall para festejar Vovó.
Mamãe me empurrou para os joelhos de minha avó que está sentada numa grande poltrona e começo a recitar.
A princesa Isabel olha-me com seus olhos azuis , tão claros e sorridentes, inicialmente tão encorajadores e depois, repentinamente , cheio de lágrimas...
Eu estava consternada porque acreditava ter-lhe causado um mal.
Não sabia ainda que o exílio podia fazer chorar..."


Trechos das memorias da Princesa Dona Isabel de Orleans e Bragança,
Condessa de Paris.


Foto : A Condessa de Paris com sua avó, a Princesa Dona Isabel,   reproduzido do livro " Mariage - De son Altesse Royale le prince Henri de France avec son Altesse Impériale la princesse Isabelle D' Orléans Bragance. 
Librairie de France - Paris. 1931.





domingo, 28 de julho de 2019

COLÔNIA DE PESCADORES Z-13 - COPACABANA




 Domingo no Rio tem cara de praia. 
E no finzinho da Praia de Copacabana 
lá está um cantinho bem carioca.


Na história do Brasil, esta foi a segunda colônia de pescadores registrada oficialmente, com data de 29 de junho de 1923.





O local é muito agradável e o mar é, na grande maioria das vezes, calmo devido à proteção dada pela pedra do Arpoador. Por ter águas mais tranquilas o local é muito procurado por pessoas com crianças pequenas ou que tenham algum receio do mar mais agitado e por esta mesma razão foi escolhido por pescadores para morar e guardar seus barcos em um lugar protegido das ressacas.

A colônia de pesca Z-13 foi fundada oficialmente em 1923, mas a presença de pescadores naquele canto da praia de Copacabana é bastante antiga. Uma foto de Marc Ferrez de 1895 já mostrava canoas de pescadores nas areias da praia neste local.

Resultado de imagem para foto de Marc Ferrez de 1895 já mostrava canoas de pescadores nas areias de copacabana


Existe também uma pequena capela em homenagem a São Pedro. Várias pessoas, não só os pescadores, paramem frente à capelinha e fazem uma pequena oração. É interessante notar que são pessoas de todas as idades e várias classes sociais. Todo dia de São Pedro, 29 de junho, há uma festa na pátio em frente à capelinha quando é celebrada uma missa. Segundo informações colhidas com pescadores ali já aconteceram até 2 batizados.

Debaixo das amendoeiras ficam estendidas as redes de pesca para secar. Neste local é feito reparo das redes,um trabalho executado por pessoas de todas as idades, e também a manutenção das embarcações. Por causa da sombra é criado ali um clima propício para as pessoas se reunirem, conversar, trocar idéias, descansar, olhar o movimento dos barcos e o mar. A presença do colônia de pesca é mais um atrativo para as pessoas.


O personagem mais famoso é o senhor Nonô,  
Claudionor José da Silva, 
que desde 1941 trabalha no local. 

Hoje, aos 88 anos, se dedica à confecção 

de redes de vôlei de praia, 
já vendidas para diversos países.

Pescadores da colônia Z-13 se preparam para mais um dia de trabalho no mar Foto: Guilherme Leporace / Agência O Globo

Redes de pesca são estendidas ao lado da sede da colônia Foto: Guilherme Leporace / Agência O Globo


Ao lado do Forte de Copacabana, pescadores da colônia empurram o barco ao mar
Foto: Agência O Globo / Guilherme Leporace


Mantida pelos pescadores da colônia Z-13, a peixaria recebe carregamentos frescos dos mais variados tipos de pescados.
Mas para saborear no local, com vista para a orla de Copacabana, a casa sugere ostras de Florianópolis, conhecidas como as melhores do litoral brasileiro

O segredo matinal do Posto 6

O Rio tem dessas coisas.
Quanto mais a gente pensa que conhece a cidade, mais descobre encantos escondidos. Como as ostras do Posto 6. 

Lá se vão dez anos que ali no cantinho onde se espremem os barquinhos e redes da colônia de pescadores pode-se saborear — com areia no pé e latinha na mão — as melhores ostras do Brasil, de Florianópolis.

Tudo graças à Peixaria Z-13, mantida pelos próprios pescadores da colônia no fim do calçadão mais famoso do mundo.
Além de vender o resultado da pesca local, a loja recebe carregamentos de ostras frescas todas as terças, quintas e sextas.
Nesses dias, principalmente se faz sol, elas viram atração para os poucos banhistas e moradores da área que conhecem o segredo.
Vendidas a R$ 3,50 a unidade, são abertas na frente do freguês.
Para quem quer come ali mesmo, no balcão da peixaria.
Mas a maioria prefere o esquema “pra levar”.
Após abertas, as ostras são parcialmente tampadas com elásticos e acondicionadas em pratinhos de plástico, junto com fatias de limão, para então serem consumidas na praia.
De preferência ao lado de uma latinha de cerveja gelada, comprada numa barraca.

Para completar o clima bucólico-afrodisíaco, os barcos dos pescadores são usados como mesa. Mas lembre-se: esse é um programa matutino. Quase sempre, quando Deus brinda o Posto 6 com ostras frescas e sol, antes do meio-dia já lá se foi todo o estoque.


domingo, 21 de julho de 2019

A polêmica dos Capuchinhos em 1969, há 50 anos



Resultado de imagem para igreja dos capuchinhos relíquias estacio de sá








O monumento a Estácio de Sá, construído no local da antiga foz do rio Carioca, é uma obra do arquiteto Lúcio Costa em homenagem ao fundador da cidade, teve a pedra fundamental lançada pelo primeiro ministro de Portugal, Marcelo Caetano, em 12 de julho de 1969, na presença do governador Negrão de Lima e  inaugurada pelo governador Chagas Freitas, em 29 de março de 1973, na presença do embaixador de Portugal, José Hermano Saraiva.



Com uma área de 450 m², em forma de triângulo, cujo um dos vértices aponta para o Morro Cara de Cão, local de fundação da cidade, é dividido em dois níveis.

No piso inferior, uma porta de bronze, de autoria do escultor Honório Peçanha, onde estão impressos em relevo, o primeiro mapa quinhentista da Guanabara e o brasão do fundador, dá acesso ao subsolo. Nele, só as réplicas da lápide de Estácio de Sá e do marco de fundação, estão depositadas sobre uma caixa de areia que representa a praia onde ele desembarcou e fundou a cidade. Uma estrutura de vidro trapezoidal na laje do monumento cria um efeito de claraboia no salão, permitindo que os raios solares entrem e incidam sobre a cripta e o marco. No piso superior, encontra-se o marco comemorativo, um obelisco de 17 metros de altura.

A intenção do governo era que o monumento abrigasse os restos mortais de Estácio de Sá, sepultados na Basílica de São Sebastião Frades Capuchinhos, na Tijuca. Mas, os frades franciscanos, guardiães centenários da relíquia, alegando ser disposição testamentária de Estácio, o seu sepultamento naquele solo sagrado, a qual fora reconhecida por um decreto do imperador Pedro II e, posteriormente, pelo presidente Epitácio Pessoa, se negaram a fazer o traslado dos despojos. 

Por conta dessa discordância, 
as chamadas “Relíquias Históricas da Cidade”
permanecem até hoje 
na Igreja dos Capuchinhos, na Tijuca.


quinta-feira, 18 de julho de 2019

Ainda no mês do aniversário de Copacabana...



...vale registrar mais algumas fotos raras




 Copacabana, 1913



Desmonte da pedreira do Inhangá para construção da piscina do Copacabana Palace



 Inauguração do Obelisco de Copacabana, 1919, revista A Careta


A imagem pode conter: árvore, atividades ao ar livre e natureza


1900 e o local  que seria hoje a rua Otaviano Hudson. 
À esquerda, o morro conhecido como Agulha do Inhanga. 
A casa, foi uma das primeiras em Copacabana.




Praça Malvino Reis é hoje a praça Serzedelo Correia, prefeito que a urbanizou em 1911, sendo a primeira praça urbanizada após o túnel Velho. No lugar da estação de bondes e do hotel da Light, temos hoje o Centro Comercial de Copacabana.



Inauguração da Avenida Atlântica, em 1919, há 100 anos
Foto de Augusto Malta