sexta-feira, 18 de março de 2011

Quando Otávio Mangabeira beijou a mão de Eisenhower

Nos comentários do post com o vídeo da visita de Eisenhower ao Rio, o amigo do RIO QUE MORA NO MAR, Aristóteles, relembrou o episódio do beija-mão.

Hoje, reproduzimos a foto que retrata a cena lamentável. 




O gesto pegou a todos de surpresa, menos Ibrahim Sued,
um jovem repórter fotográfico em início de carreira.
Ágil, ele capturou a cena que por anos simbolizou a submissão do Brasil aos EUA
e o consagrou como repórter.





3 comentários:

  1. Nunca houve beijo, eu li sobre a historia. Uma mentira repetida milhões de vezes torna se verdade. É o angulo da imagem que dá tal ilusão.

    ResponderExcluir
  2. De fato o beijo nunca ocorreu. A fotografia é que essa impressão. Foi um aperto de mão. Prosseguir com essa lenda é desinformação ou má-fé.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desinformação, muito pelo contrário! O fato se tornou folclórico e divulgar é, sim, informação. O debate em torno do assunto revive e esclarece o ocorrido. Omitir e ter de esconder é que seria má-fé. Ou censura.
      Abs
      Elizabeth

      Excluir

Comente! Seja bem-vindo!