quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

DIA 28 DE DEZEMBRO, DIA DO GUARDA-VIDAS

A história do salvamento de afogados
na orla marítima do Brasil
começou na cidade do 
Rio de Janeiro,
mais precisamente na 
praia de Copacabana.


As belezas de nosso litoral na maioria das vezes escondem ondas e correntezas fortes,  potencialmente perigosas com risco de afogamentos. Estas características tornaram a cidade do Rio de Janeiro uma das regiões com maior índice desta forma de acidente no país. Sensível a esta realidade, em 1914, o Comodoro Wilbert E. Longfellow fundou na cidade do Rio de Janeiro, então capital da República, o Serviço de Salvamento da Cruz Vermelha Americana. Nesta época, o objetivo era o de organizar e treinar Guarda-Vidas voluntários, que atuariam em postos de salvamento, não apenas no Rio de Janeiro mas por todo país, supervisionando praias desguarnecidas.

Hoje o grupamento de salvamento marítimo, o GMAR, faz parte do Corpo de Bombeiros Militar do Rio de Janeiro. São militares, especialistas, considerados um dos melhores do mundo.

Vida de dedicação, abnegação e entrega para salvar a vida de  todos nós cariocas e os que nos visitam, desde os tempos só da natação e preparo pessoal até os dias atuais que tudo isso se soma a equipamentos e tecnologia.


Vivem o lema
Em qualquer tempo, a qualquer hora, em qualquer mar.


  uniforme anos 60


uniforme anos 90  ....ALGUÉM SE RECONHECE NA FOTO?

(foto Revista Trip/fev1999 - reprodução)


Um dos alicerces da comemoração do Dia dos Salva-Vidas ( ou guarda-vidas, como eles preferem) é bíblico, onde menciona como sendo o dia 28 de dezembro o dia de proteção do anjo Damabiah, da hierarquia do Arcanjo Gabriel, responsável pelo Bem-Estar das pessoas que vivem do mar, para o mar e próximos do mar.

Parabéns
a esses anjos da guarda de nossas praias,
através de  duas figuras :

uma, a quem se deve a data da comemoração,
 o guarda-vidas  a partir dos anos 1920,
Isidro Pacheco Soares,
 

e outra mais recente, guarda-vidas a partir dos anos 1940
pelas areias do Leblon,
o guarda-vidas Jair Alves.



recorte O GLOBO, 6/1/1966



recorte jornal O GLOBO - 14/5/1982



Resultado de imagem para primeira turma de salva vidas dos bombeiros do rio de janeiro

Imagem relacionada

#guardavidas
#diadoguardavidas


2 comentários:

  1. Na minha juventude eu, bom nadador, enfrentava ressaca em Copacabana mas foi com as águas calmas que quase me dei mal. Eu, meu primo e várias pessoas, fomos para um pouco distante da praia. "Mar de Almirante" e é aí é que mora o perigo. Percebemos que surgira uma repentina correnteza. Tentamos nadar para a praia mas foi em vão; a correnteza não deixava. Notei que os outros também estavam na mesma situação. Fiquei preocupado sem saber como voltar. Logo depois, o Guarda-vidas notou que estávamos em dificuldade e rapidamente chegou até nós. Disse que não deveríamos tentar nadar para a praia pois a correnteza, conhecida como "visgo", não deixaria. Que ela nos puxaria paralelamente à praia e logo se dissolveria. Fomos arrastados conforme ele nos orientou e, de fato, desapareceu logo depois. Graças ao Guarda-vidas estou contando essa história. Aristóteles Alves Corrêa

    ResponderExcluir
  2. A gente nunca nota nada. Eles têm olhar de lince. E coragem, claro!
    Abs
    Elizabeth

    ResponderExcluir

Comente! Seja bem-vindo!