domingo, 4 de maio de 2014

Mês de maio via uma nova avenida Atlântica em Copacabana

De 1969 a 1971, a Zona Sul acompanhou uma obra que mudaria a cara de um cartão-postal da cidade Assim em maio de 1970 começava a surgir a nova Avenida Atlântica, duplicada.

O projeto, sugerido pelo arquiteto Lúcio Costa, foi do engenheiro Raimundo de Paulo Soares executado durante o governo Negrão de Lima .

Foram construídas novas pistas para os carros, faixa de areia ficou maior e, também instalado o interceptor oceânico da Zona Sul.

A obra também trouxe um visual novo à avenida, onde o calçadão ganhou sua forma definitiva, pelo traço de Roberto Burle Marx, que  desenhou os mosaicos de pedras portuguesas, em pedro, branco e vermelho, para representar as etnias que formaram o Brasil. A ideia era que os desenhos pudessem ser vistos do alto. No calçadão à beira-mar, Burle Marx manteve as ondas projetadas no início do século XXl (copiadas da Praça do Rocio, em Lisboa), mas aumentou as curvas, criando o efeito que ficou conhecido no mundo todo.


Avenida Atlântica, em 1958

Imagem das obras

A avenida pronta


Posteriormente outras intervenções ainda foram feitas na avenida Atlântica e praia de Copacabana.Em 1975,  foram erguidos novos postos de salvamento. Em 1988, a areia ganhou coqueiros. Quatro anos depois, o estacionamento foi proibido e a prefeitura construiu a ciclovia. Em 2005, com o projeto Rio Orla, a avenida ganhou novos quiosques.


4 comentários:

  1. Muito bom !!! Conheci Copa em 1975, meus familiares moravam ai.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carlos,
      Bom compartilhar histórias do Rio. Venha visitar sempre o blog.
      Abs,
      Elizabeth

      Excluir
    2. Oi Carlos,
      Bom compartilhar histórias do Rio. Venha visitar sempre o blog.
      Abs,
      Elizabeth

      Excluir
  2. Muito bom !!! Conheci Copa em 1975, meus familiares moravam ai.

    ResponderExcluir

Comente! Seja bem-vindo!