quarta-feira, 29 de julho de 2009

O VERDADEIRO VENCEDOR DA BATALHA DE PIRAJÁ!

Alguns pseudo-artistas de uma pseudo-organização estão tentando acabar com um dos novos símbolos de Ipanema: a estátua do Corneteiro, que fica na Rua Visconde de Pirajá .

A razão? Os "grandes" nomes da tal “comissão” não a considera arte… nem símbolo do bairro.

O RIO QUE MORA NO MAR PENSA EXATAMENTE O CONTRÁRIO!
Daí vale recordar a história.

1823, Pirajá. Batalha perdida. Ordem de retirada.Os portugueses haviam vencido a batalha decisiva na Bahia contra a independência do Brasil. O Corneteiro Luis Lopes é chamado e rece a ordem: “Dê o toque de retirada muitas vezes”.
O Corneteiro subiu, então, num montículo e descumpriu a ordem, tocando o contrário, ou seja: AVANÇAR DEGOLANDO. Os soldados avançaram gritando assustadoramente sobre os portugueses, que surpreendidos, correram. Estava ganha a Batalha de Pirajá.

A Bahia caía e a independência estava garantida.

Essa data é até hoje comemorada, justamente, pelos baianos como o ato final da independência.
Irmãos e primos latifundiários cederam seus jagunços para que o general francês Labatout, contratado por D. Pedro I, organizasse algo parecido com um exército. O Visconde de Pirajá, durante a batalha, estava na corte dando informações do que ocorria e cem anos depois da independência -em 1922- as comemorações no Rio, então Distrito Federal, procuraram exaltar os heróis da independência na Bahia, erroneamente. E os agraciados foram... os irmãos latifundiários.
Assim, em Ipanema, que terminava de ser urbanizada, pela empresa do Barão de mesmo nome, as ruas foram nominados: Visconde de Pirajá, Barão da Torre e Garcia D'Ávila. Uma exceção à heroína massacrada pelos portugueses dentro de seu convento: a sóror Joana Angélica.

O artista IQUE se propôs a transformar a verdadeira história em um monumento. Com a alma carioca e o tino de chargista, fez a estátua do Corneteiro. Essa foi minuciosamente colocada onde? Claro, na esquina dos irmãos Visconde de Pirajá e Garcia D'Ávila. E numa placa, a história contada.

Um monumento de justiça histórica e com a ironia carioca. A corneta, Ique transformou em rifle, continuando corneta.

Semana passada surgiu um movimento em defesa da estátua do Corneteiro e contra o elitismo dos que se acham donos da arte. O abaixo assinado em defesa do Corneteiro cresce a cada dia.
Clique abaixo e participe dele também.

http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/4718



Estátua do Corneteiro
Fotos - Reprodução/Internet

Um comentário:

  1. Muito legal esse fato , ando nessas ruas diariamente a trabalho e parei para ler a placa e me encantei pela historia. Quantos pessoas andam por essas ruas e desconhecem tão grande fato.

    ResponderExcluir

Comente! Seja bem-vindo!