sexta-feira, 30 de abril de 2010

Miss Guanabara

Ah!... o Miss Guanabara deixou saudades.

Título de miss já foi sinônimo de muito glamour, de audiência de uma Tv que começava.

Quantas disputas comentadas! Quantas capas de revistas! Quantas discussões sobre resultados!

A partir de 1954, quando os concursos se tornaram oficiais, então, começaram os tempos áureos, mas, por esse tempo, o concurso ainda elegia Miss Distrito Federal.

No Rio, a miss era escolhida entre representantes dos clubes e instituições cariocas, ao contrário de outros estados, entre representantes de cidades. E isso esquentava a competição com torcidas. Dessa época lembramos as duas cariocas que se tornaram Miss Brasil com suas presenças marcantes: Adalgisa Colombo, representante do Botafogo de Futebol e Regatas, em 1958, a primeira carioca a ser Miss Brasil - que renunciou durante o reinado por estar de casamento marcado, mas nunca perdeu a coroa - e Vera Regina Ribeiro em 1959, representante do Clube Vila Isabel.

E aí a capital se mudou e veio o Miss Guanabara.

Começou em 1960, com o glamour e a novidade do Rio se transformando em estado e acontecendo com toda a pompa. Antecedia o Miss Brasil . Os estados brasileiros se apresentam... Assim começava a canção das misses. Quem lembra?
A primeira Miss Guanabara foi Gina MacPherson, que acabou também se elegendo Miss Brasil.



Durante os anos 60, quando o Maracanãzinho recebia um público de 30000 espectadores. Era garota e curti muito esse tempo. Foi Miss Guanabara, em 1961, Alda Coutinho , em 1962 Vera Lúcia Saba ,em 1963 Vera Lúcia Maia, em 1964 Vera Lúcia Couto dos Santos , em 1965 Maria Raquel de Andrade, em 1966 Ana Cristina Ridzi, em 1967 Vera Lúcia de Castro, em 1968 Maria da Glória Carvalho e em 1969 Mara de Carvalho Ferro.

O concurso de Miss Guanabara traz, à tona, algumas curiosidades.

A candidata Geórgia Quental foi proibida de se inscrever no primeiro concurso, depois de uma reunião dos dirigentes de todos os clubes. A revista Manchete, da época disse:

...Geórgia é manequim profissional. E o que pode haver de mal nisso? Um manequim sabe desfilar, já foi selecionado por sua beleza e as outras entrariam quase sem chance. De qualquer maneira Geórgia foi ao Maracanãzinho e muita gente lamentou que não entrasse no concurso. Em 1959, Geórgia Quental tinha tentando ser candidata ao título de Miss Distrito Federal, mas Mena Fialha, proprietária da Casa Canadá, para onde Geórgia desfilava, preferiu apoiar Adalgisa Colombo, que também era manequim.

E a saga das Veras ? Outra curiosidade.
Parecia que bastava ter esse nome pra vencer.

Mas essa história... fica pro próximo post.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Seja bem-vindo!