domingo, 7 de setembro de 2008

O 7 de setembro e duas avenidas cariocas.


João do Rio a definiu como "esse grande Sabá arquitetônico de dois quilômetros", por onde passa "o Rio inteiro, o Rio anônimo e o Rio conhecido".
Ah, Avenida Central!
O corte ousado, no urbanismo da cidade, de mar a mar, que transformou a vida carioca, com a demolição de 590 edificações.
Curiosamente foi inaugurada duas vezes, a primeira delas em 7 de setembro de 1904, ao final das demolições e em 15 de novembro de 1905, para celebrar o final das suas construções.

A Avenida Central em dois tempos:
Obras para a Avenida Central / Foto: autor desconhecido
Foto de Augusto Malta
No início do século, após inaugurada.
Intercessão da Av Rio Branco com a hoje denominada Rua da Ajuda, antes Rua do Chile.
A Rua do Chile desapareceu em sua maior parte com a abertura da nova Avenida.
*****
Desde os tempos de D. João VI já se pensava em construir um canal navegável ligando o mar ao Rocio Pequeno, atual Praça Onze de Junho. O canal teria como objetivo secar um enorme pântano existente próximo da Cidade Nova, que era um foco de doenças, mosquitos e exalações desagradáveis. Mas só em 1857, foi iniciada a construção do Canal do Mangue, que foi a maior obra de saneamento do Rio de Janeiro, na época do Império, contratada ao Barão de Mauá.
No Governo de Henrique de Toledo Dodsworth, como prefeito do Distrito Federal, a idéia de prolongar a Avenida do Mangue até o Cais dos Mineiros, atual Arsenal da Marinha, foi posta em prática e foi aberta a Avenida Presidente Vargas,
para a qual foram demolidos 525 prédios e desapareceram velhas ruas.

Assim nasceu a Avenida Presidente Vargas em 7 de setembro de 1944.


A Presidente Vargas em contrução. Foto: autor desconhecido

Um postal raro, dia de parada militar, provavelmente 1949.
À direita, a praça da República e à esquerda o chamado Ministério da Guerra, na época.
Foto: Rio Passado

Um comentário:

Comente! Seja bem-vindo!